scientifyRESEARCH
research funding database

Um modelo de como os financiadores de pesquisa científica podem trabalhar com diversidade e internacionalização

Share this post

Nos últimos anos, tem havido um foco crescente na importância da diversidade no campo da pesquisa científica. Durante décadas, o foco tem sido o gênero, mas hoje está se desenvolvendo uma compreensão mais ampla da diversidade. Os pesquisadores continuam a ser o foco das políticas e iniciativas, mas isto tem vindo a mudar lentamente para abranger a importância da diversidade na própria pesquisa. É amplamente reconhecido agora que a representação é importante e que a boa pesquisa considera a diversidade do mundo real.

Por que trabalhar com a diversidade e a internacionalização é um desafio para os financiadores?

Apesar deste novo entendimento, muitos financiadores limitam-se apenas ao gênero quando consideram a diversidade, e muitos não têm exigências específicas dos candidatos, considerando as questões da diversidade como sendo tratadas como parte dos argumentos de “excelência” apresentados pelos investigadores nos pedidos de bolsa. E nós entendemos o porquê. Uma série de razões tornam isso complicado:

  1. A diversidade é complexa quando vamos além do gênero e começamos a falar sobre orientação sexual, raça, capacidade física, habilidade mental, neurodiversidade, religião, cultura nacional, etnia, idade, etc.
  2. Como a internacionalização e as colaborações associadas são o novo normal, e existem abordagens muito diferentes para algumas destas características pessoais (orientação sexual) a nível global, o que se faz?
  3. Alguns destes tópicos estão cada vez mais politizados, mesmo dentro da comunidade de investigação, e por isso pode parecer mais fácil não se envolver e, portanto, não agir.

Isto significa que as escolhas e opções disponíveis tornam-se esmagadoras. Onde se começa e onde se termina?

Mas, ao não agirem, os financiadores da pesquisa estão a deixar os grupos minoritários, tanto na investigação como na comunidade de pesquisa, lutarem sozinhos. Não fazer nada envia um sinal preocupante aos grupos minoritários na comunidade científica e na sociedade em geral. 

Isto não quer dizer que a diversidade tenha de ser tudo, em todo o lado, ao mesmo tempo. A criação de ambientes e processos de pesquisa mais diversificados e inclusivos pode ser desenvolvida através de processos passo a passo. Tentar fazer tudo de uma vez pode facilmente nos paralisar. É por isso que desenvolvemos o modelo abaixo para ajudar os financiadores a abordar questões de diversidade com confiança.

Como os financiadores podem ter em consideração diversidade e internacionalização?

Sugerimos que os financiadores comecem por estabelecer um objetivo baseado nos seus valores, tendo em conta os impulsionadores ou incentivos nos seus esquemas de financiamento, ao mesmo tempo que consideram como quaisquer mudanças terão impacto na dinâmica mais ampla do ecossistema de investigação. A construção desta base permite ao financiador iniciar um processo de melhoria contínua, onde diferentes etapas podem funcionar como ferramentas de tomada de decisão para avaliar se as iniciativas devem ser em tipos específicos de bolsas, seja na diversidade dos beneficiários ou no estudo, recolha de dados ou impacto. Por fim, o modelo pede aos financiadores que pensem na forma como estas decisões requerem revisitar os processos de candidatura, como as bolsas são avaliadas e estimadas, e o preparo necessário para implementar tudo isso. Depois de concluir o processo e fazer as alterações, você poderá repetir o processo e fazer novas alterações, comendo o infame elefante, uma mordida de cada vez.

Embora o processo na prática seja mais complexo e deva estar alinhado com políticas e objetivos mais amplos como financiador, é um ponto de partida que ajudará a abrir e alargar a conversa. Depois que todas as ideias estiverem disponíveis após a primeira rodada, revise o modelo uma segunda vez para tomar decisões e pense nas consequências das decisões tomadas no início do modelo para algumas das etapas posteriores do modelo. Por exemplo, as decisões sobre os tipos de subsídios ou a escolha de características pessoais nas quais se concentrar terão consequências para os dados coletados? Como tal, o modelo pode, em primeiro lugar, ser utilizado para inspiração e tomada de decisões e, em segundo lugar, para refletir sobre as consequências destas decisões nos outros campos que rodeiam o modelo.

A model for how funders can work with diversity and internationalization At Center: GOALS VALUES INCENTIVES DYNAMICS Around the words centered in the circle is a numbered wheel: 1 Grant Type 2 Personal Characteristics 3 Grantees 4 Research 5 Data 6 Impact 7 Evaluation and Training From DIVERSIUNITY

Por que desenvolvemos o modelo da diversidade para financiamento?

Desenvolvemos o modelo porque, conversando com diferentes atores do ecossistema de pesquisa, ficou claro que todos pareciam cheios de boas intenções, mas a maioria não sabia por onde começar. Todo mundo parece estar se atrapalhando no escuro. Esse modelo resolve tudo? Não, mas como muitas mudanças são impulsionadas pelo financiamento da investigação, isto apoia os financiadores no início, tornando assim os ambientes de investigação mais inclusivos e financiando investigação que reconhece as diversas complexidades que constituem o mundo.

Estamos disponibilizando o modelo para uso dos financiadores – mas também adoraríamos apoiá-los, fazer parte do processo e ajudá-los a aproveitar ao máximo o modelo. A mudança é melhor quando alcançada em conjunto.

Agradecimento

Gostaríamos de agradecer aos autores, Jakob Feldtfos Christensen, Diretor da DIVERSIunity e Lachlan Smith, Codiretor da Cloud-Chamber. Juntos, eles são co-apresentadores do podcast The Diversity In Research.

Would you like to be featured on our blog?

Get in touch with us!

phd student funding

Sign-up for our monthly
research funding newsletter

you can unsubscribe at any time